Maternidade e mindfulness, a primeira grande parceria entre mãe e filho



Por: Dr. Martin Portner*
Médico Neurologista e Mestre em neurociência pela Universidade de Oxford

Uma das parcerias mais precoces que a vida oferece é aquela que se estabelece entre a mãe e o seu bebê ainda na gestação. Nessa fase, a relação é ao mesmo tempo mágica e crucial para definir eventos que vão se desenrolar bem mais adiante.

Nos primeiros meses depois do nascimento, os neurônios do cérebro do bebê desenvolvem-se impulsionados por instruções internas (código genético) e externas (o mundo lá fora). Por exemplo, com cerca de doze meses de idade, os neurônios da parte do cérebro que controlam os músculos das pernas entram automaticamente em cena para coordenar os primeiros passos sobre o planeta. Já outros neurônios esperam para serem “despertados” pelas informações que chegam do ambiente externo. Ao reconhecer a proximidade da mãe pelo cheiro de sua pele, neurônios especializados na sensação de bem estar entram em ação para acalmar o bebê. Passam a ensinar a ele ou ela que tudo na vida é temporário – embora a mãe se afaste, depois de algum tempo ela retorna. Toda essa atividade das preciosas células cerebrais vai, pelo resto das nossas vidas, contar com essa dupla de empurrões – o DNA e o meio ambiente.

Uma equipe de pesquisadores internacionais avaliou a rapidez com que determinados bebês reconhecem sons. Eles foram colocados em contato com estímulos sonoros de variados tipos e testados para ver se os reconheciam logo depois. Os autores foram capazes de avaliar a “receptividade” dos neurônios cerebrais na região que processa os sons. Uma resposta no cérebro do bebê, 150 milésimos de segundos depois do som estar no ar, significa que ele ou ela dirigiram a atenção especificamente para aquele som, colocando nas demais áreas do cérebro uma placa com os dizeres “silêncio, estamos trabalhando na tarefa da escuta”. Logo depois vem uma resposta com 250 milésimos de segundo, que significa que o som é considerado uma novidade.

Eles verificaram que algumas crianças tinham uma marca 150 potente, indicando que o som havia sido identificado, e uma 250 menor – não se tratava mais de novidade, o som já havia sido aprendido. Em outros bebês, dava–se o inverso. O baixo 150 indicava menor energia na identificação do som e um 250 elevado dizia que embora o som já tivesse sido escutado antes, ele ainda era considerado novidade.

O que diferencia esses bebês entre si? Na verdade eles pertencem a dois grupos. Um deles reúne bebês cujas mães desenvolveram uma forma especial de atenção dedicada ao bebê durante a gestação – pesquisadores referem-se a essa habilidade como “mindfulness gestacional”–, ao passo que as mães do segundo grupo de bebês haviam mostrado sinais de ansiedade durante a gestação.

Aqui começa uma extraordinária parceria. Mães têm a possibilidade de fazer uma escolha – a de estabelecer ou não o autocontrole anti estresse na gestação. A gestação mindful constrói uma redoma protetiva para ela e para seu bebê. Como resultado, mães gestam bebês que depois vão processar sons de forma mais eficaz do que quando eles nascem de uma gestação estressada.

Mais adiante, esses jovens serão capazes de afinar a escuta. Aprenderão ensinamentos originados em casa e também na sala de aula. Serão capazes de escutar os outros e formar relacionamentos em cuja base se encontra a empatia e os famosos neurônios em espelho.

Adultos que quando bebês foram escolhidos por suas mães para essa parceria pré-natal inédita, poderosa e duradoura serão capazes de desenvolver as mais preciosas qualidades exigidas de quem pretende ser bem sucedido no terceiro milênio – escuta afinada e autocontrole das emoções.

A primeira parceria define o sucesso de todas as outras. Afinal, como negociar com as complexidades da vida se tivermos esquecido a caixa de habilidades em algum lugar lá atrás?

*Dr. Martin Portner é Médico Neurologista , Mestre em Neurociência pela Universidade de Oxford e especialista em Mindfulness. Há mais de 30 anos divide suas habilidades entre atendimentos clínicos e palestras, treinamentos e workshops sobre sabedoria, criatividade e mindfulness. www.martinportner.com.br
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário