Jovem casal e seu cachorro partem neste sábado do Guarujá para viajar de veleiro pelo mundo

Beto Toledo, Thaís Cañadó e Google - Divulgação/FACES 
 
O casal vendeu todos os bens que tinha, fez um investimento e irá bancar a viagem rumo ao Caribe, Austrália e Europa - que não tem data para acabar e está estimada em R$ 4 mil mensais - com os rendimentos
 
 
Alba Bittencourt
Portal Splish Splash


Beto Toledo, publicitário de 35 anos, e Thaís Cañadó, designer de moda de 26 anos, partirão nesse sábado, dia 20, rumo à realização de um projeto pessoal: viajar pelo mundo a bordo de um veleiro. Nessa aventura em que pretendem conhecer o máximo de lugares gastando o mínimo possível, já que terão um local garantido para preparar as refeições, tomar banho e dormir, eles terão a companhia do seu cachorro Google, que é da raça Golden Retriever e tem 3 anos.

O dia a dia da vida a bordo, as experiências do Google e os lugares que visitarão na perspectiva de quem chega à praia pelo mar, e não pela terra, serão registrados em vídeos e compartilhados no canal Sailing Around The World, que pode ser acessado pelo site www.velejandopelomundo.com ou diretamente pelo Youtube (www.youtube.com/c/SailingAroundtheWorld).


A partida será do Guarujá, litoral sul de São Paulo, onde o veleiro está ancorado. De lá, as primeiras paradas do roteiro serão em Ilhabela, Ubatuba, Paraty, Angra dos Reis, Rio de Janeiro, Búzios e Ilha Grande. Margeando a costa rumo ao norte até chegar a Fernando de Noronha, eles pretendem depois seguir para o Caribe, Austrália (via canal do Panamá) e Europa (pelo canal de Suez). Por fim, cruzarão o Atlântico de volta ao Brasil.

Para custear a viagem – estimada em R$ 4 mil mensais -, Beto e Thaís venderam bens como carro, apartamento, móveis e roupas, cortaram gastos desnecessários e investiram todo o valor em uma aplicação de renda fixa cuja rentabilidade irá mantê-los. “Começamos a planejar nossa viagem em 2016 e continuamos trabalhando até bem perto da nossa partida. Mas como mudamos nosso estilo de vida e passamos a fazer mais refeições em casa e consumir menos alimentos industrializados, conseguimos economizar bastante. Se tudo correr como o planejado, voltaremos com um patrimônio financeiro maior do que estamos indo”, conta Thaís.

A ideia de buscar uma vida simples, próxima à natureza e à essência humana de sobrevivência, e velejar pelo mundo surgiu em 2015, inspirados pelas histórias de outros jovens casais que têm se aventurado através dos continentes e oceanos. “Partiremos sem data para voltar. Não pretendemos trabalhar nesse período, já que os rendimentos de nossa aplicação devem ser suficientes para cobrir as despesas, mas seguiremos com todas as possibilidades em aberto e não teremos problema em mudar de planos, caso seja necessário. Tanto podemos parar em algum lugar e nunca mais querer voltar quanto decidir acelerar a viagem e retornar”, explica Beto.

Estrutura do veleiro
 



Com cerca de 60 m² de área privativa, a nova residência itinerante do trio é forte e resistente contra os ventos e o mar, seguro e com toda a comodidade. Batizado de Shogun, o veleiro Peterson de 33 pés tem dois andares e é praticamente autossustentável. Em sua parte inferior há uma suíte com cama de casal, closet, banheiro, chuveiro, armários e uma grande mesa de navegação. A sala é integrada com a cozinha, que tem pia, torneiras de água doce e salgada, fogão, forno e geladeira, e tanto a mesa quanto um dos sofás podem virar outras camas de casal. Na parte de cima ficam a cabine de comando e uma ampla área de lazer para tomar sol e fazer exercícios.
Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário