Ao acaso no cantinho do Splish Splash



 

Por: Carlos Alberto Alves
jornalistaalves@bol.com.br
Facebook


1.Professor no Brasil - e não só - é uma profissão que não tem sido reconhecida pela respectiva tutela governamental. Os professores têm, frequentemente, e com alguma veemência, reivindicando melhores condições salariais, compatíveis com o seu desempenho. E, hoje, no Brasil, ser professor já começa a ser uma profissão de risco em função da violência que tem grassado nas próprias aulas. E quantos professores já foram agredidos por alunos? Muitos. Medite-se! Que haja capacidade governamental para mudar este triste quadro. E as últimas manifestações foram sintomáticas dos problemas com que deparam os professores.

2.Em abril de 1976, a saudosa escritora e poetisa, Natália Correia, deslocou-se a São Miguel, sua terra natal. E, por coincidência, viajou conjuntamente com as caravanas do Benfica e do Sporting que vieram participar na inauguração do então denominado Estádio Municipal (hoje é Estádio de São Miguel). No desembarque, desde a aeronave até ao terminal, veio acompanhada pelo fotógrafo António Capela (RIP) que trazia vestido um enorme capote. Como já conhecia o Capela, desde 1972 quando veio à Terceira acompanhando o Sporting que participou nas "Bodas de Ouro" do Lusitânia, disse-lhe: "Deves estar equivocado, isto aqui não é a Sibéria". A Natália riu que se fartou, mais o Aurélio Márcio (RIP), meu colega de A Bola que o aguardava para combinarmos serviço. Natália Correia, António Capela e Aurélio Márcio, três vultos já falecidos, mas sempre presentes na nossa memória. 

3.O teatro é uma das grandes culturas que conhecemos, seja qual for a circunstância: drama, comédia e por aí fora. Recordo-me de noites inolvidáveis passadas em Lisboa no Parque Mayer, assistindo a excepcionais revistas e que abarcavam atores de enorme prestígio. Aliás, tal como acontece no Brasil, Portugal poderá ufanar-se de, geração-em-geração, reunir grupos de talentosos atores. Em Divinópolis, cidade de Minas Gerais, há que realçar a dinâmica imposta pela atriz (de nome feito na sua profissão) Cidah Viana. Tem sido sumamente importante a mensagem que ela passa à juventude que se interessa pela atividade teatral. É assim que se captam novos valores. Parabéns! 

4.Saudade velha máxima do cancioneiro português. Quando em determinadas circunstâncias a saudade bate forte, óbvio que aflora toda a sensibilidade com uma ou mais lágrimas passando pelo rosto. E desde que me enfileirei no facebook muitas lágrimas caírem (e ainda caem) quando deparei com figuras de amigos meus, os que estão em Portugal Continental, nas ilhas dos Açores, emigrados para os Estados Unidos, Canadá e outros países. E as lágrimas caem de saudade quando dou por conta que algum amigo postou na minha caixa de mensagens que faleceu fulano, que faleceu sicrano. E mais: que o amigo tal sofre de doença incurável. Mas a saudade bate sempre no meu dia-a-dia. É só entrar no facebook e constatar quem são os meus amigos e conhecidos que estão online. Também as fotos postadas originam, por vezes, um recuar ao passado. O mais recente aconteceu quando por aqui encontrei João Consiglieri Rocha, um terceirense que há longos anos vive no Algarve. Um amigo de contar. E tenho fortes motivos para dizê-lo. E de outros que também que por aqui circulam nesta enorme "avenida facebokana", como, por exemplo, aqueles que me apoiaram nas minhas deslocações à Diáspora. É isso mesmo: saudade velha máxima do cancioneiro português. E jamais deixo de ser português. 
Carlos Alberto Alves

Sobre o autor

Carlos Alberto Alves - Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Colabora semanalmente no programa Rádio Face, da Rádio Ratel, dos Açores. Leia Mais sobre o autor...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário