A repercussão da presença de Roberto Carlos em Portugal




Por: Carlos Alberto Alves
jornalistaalves@bol.com.br
Facebook
https://www.facebook.com/carlosalberto.alvessilva.9
Todos nós portugueses estamos felizes pelo facto de, neste ano de 2017, Roberto ter optado por Portugal para comemorar, no dia 19 de abril corrente, o seu aniversário, realizando um segundo espetáculo (dia 21) e outros dois no Porto, marcados, respectivamente, para os dias 24 e 25 
Algumas fãs de Roberto, aqui do Brasil, deslocaram-se a Portugal para acompanharem o rei em mais esta turnê no país luso, a segunda no espaço de dois anos, o que é ainda mais gratificante para os portugueses.
Portugal tem duas regiões autónomas, concretamente a Madeira e os Açores. Os Açores que são constituídos por nove ilhas, divididas por três grupos – oriental, central e ocidental.  De uma ilha do grupo central, a Terceira, veio um casal expressamente a Lisboa para assistir ao show de Roberto, eles também fãs. Francisco Cordeiro, acompanhado pela esposa Maria Helena Alves Vieira Cordeiro. O casal adorou o show, mas lamentando o facto de não poderem falar com o rei no seu camarim. De facto, em tais circunstâncias, era mesmo difícil.
Roberto Carlos é sempre notícia, para mais numa turnê em que comemorava os seus 76 anos de idade. A mídia marcou presença significativa e a Globo, como não podia deixar de ser, esteve na Meo Arena, em Lisboa, com gravação para o Fantástico deste domingo, dia 23.
Gente em peso para dar os parabéns a Roberto Carlos . Gente de Portugal que se juntou a brasileiros e, inclusivamente, a africanos de Moçambique que se deslocaram expressamente a Lisboa para assistir ao show de aniversário.
Matilde Campilho,  poeta portuguesa, foi a escolhida para estar no camarim com Roberto num bate-papo. Fã de Roberto desde miúda, Matilde tem como preferência a canção Detalhes
Vejamos:
Amor e paixão:
Roberto – O amor é uma coisa eterna. Muita gente diz que o amor está mudando, eu não acredito que não existe mais do que antes. Ele pode é não ser tão manifestado, mas as canções de amor são as mesmas coisas que se falava em tempos. Eu acredito no amor sempre.
Matilde - O amor permanece sempre na família e, recentemente, você teve uma neta, isso é uma coisa  que toca muito você, atendendo a que recebeu o nome da sua mãe Laura?
Roberto – Com certeza . Minha netinha Laurinha é uma gracinha. Foi uma emoção muito grande quando meu filho Dudu me falou que ela iria chamar Laura. Claro que eu fiquei muito feliz.
Matilde – A partir de que altura é que começaram a chamar você de rei e isso ficou para sempre?
Roberto – Isso foi na Jovem Guarda e eu ficava muito sem graça quando me chamavam de rei, porque eu achava se eu atendesse as pessoas iriam julgar que eu era rei mesmo. Repito eu ficava muito sem graça e não respondia. As pessoas pensavam que eu não estava a ser simpático e essa coisa toda. E eu pensava: o que é que eu vou fazer? Vou atender e dizer OI, tudo bem, ficava mais fácil. Mas eu, na verdade, não me sinto rei. Eu sou um cantor, eu sou um cara que acredita no amor, em Deus, enfim.
Sobre o filme da vida dele:
Roberto – A gente está a pensar de quem é que vai fazer o meu papel no filme, mas ainda não temos assim uma ideia concreta.
Claro que, hoje, dia 23, Roberto passa por um momento de tristeza pela morte do seu amigo e companheiro Jerry Adriani, que faleceu no Rio de Janeiro, no Hospital Vitória, às 15H30.

Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Atualmente com site próprio (http://jornalistacarlosalbertoalves.blogspot.com) e contribuidor diário no Portal Splish Splash e no site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. jornalistaalves@bol.com.br

Compartilhar Google Plus
    Comentários

2 comentários :