Porque hoje é domingo





Por: Carlos Alberto Alves
jornalistaalves@bol.com.br
Facebook
https://www.facebook.com/carlosalberto.alvessilva.9
A verdade é que eles já estão à minha espera no “outro lado da vida”. Eles, dois angolanos que foram verdadeiros arautos do seu país, a Angola onde eu estive no período de 1965 a 1967. Eles, o Raúl Indipwo e o Milo Macmahon, que formaram o inesquecível DUO OURO NEGRO, grupo musical criado em 1956 pelo Raúl e pelo Milo, em Angola, naturalmente, à data uma das províncias de Portugal.

Após várias apresentações em Luanda conseguem, depois, ir actuar em Lisboa por intermédio do empresário Ribeiro Braga. Sucessos e mais sucessos no bem conhecido Cinema Roma e numa das maiores salas de visitas do nosso país, o Casino do Estoril.

Dois casos curiosos:

Regressam a Angola em 1961, pouco antes do eclodir da guerra  e entra para o grupo José Alves Monteiro. Nesta nova formação, gravam cinco discos. Os temas de mais sucesso são “Garota” (Garota, ó Garota, não fujas de mim) e “Mãe Preta” (que canção cheia de sentimento).

Participaram também, com “Kubatokuê Mulata” no segundo Festival Internacional da Canção do Rio de Janeiro, Brasil, país onde me encontro.

Na minha passagem por Luanda, dois períodos alternados, vários eram os cartazes colocados com anúncios de shows do grupo que, diga-se, também caiu no goto dos militares portugueses, eu incluído como não podia deixar de ser.
Numa das noites luandenses, decidi ir ao Cinema Império vê-los atuar, porém, a meio do caminho, uma vez que estava a pé, sou surpreendido com um enorme dilúvio. Moral da história: fui mesmo para o show, mas, e bem à moda da Terceira, “alagado, pingado”. Face à intempérie o show não deixou de se realizar. Outros militares também chegaram  ao Cinema Império, ou seja, e repetindo a frase “made in Terceira”, “alagados, pingados”. O pior foi no dia seguinte, com uma enorme gripe. Mas como tropa é tropa, tive mesmo que ir para o gabinete de trabalho que me havia sido distribuído (a (Secção de Operações e Psico), em precárias condições. O nariz parecia uma torneira. Mas valeu pelo fato de acompanhar ao vivo o OURO NEGRO. O grupo iniciou-se em 1956 e terminou em 1985 quando morreu o Milo. O Raul esse faleceu em 4 de junho de 2006, já eu me encontrava no Brasil e acompanhei todas as notícias relacionadas com o seu falecimento.


Daquela canção VOU LEVAR-TE COMIGO, eu mudei para VOU LEVÁ-LOS COMIGO. Sempre presentes. E lá no “outro lado da vida”, é caso para se preparar um show com este chamariz: “Venham ver os dois maiores da música angolana”. E o começo sugere LUANDA! É isso aí, Milo e Raul, “Luanda ó linda Luanda”.

Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Atualmente com site próprio (http://jornalistacarlosalbertoalves.blogspot.com) e contribuidor diário no Portal Splish Splash e no site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. jornalistaalves@bol.com.br

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário