Manifestação faz Pão de Açúcar mudar fornecedores


Em manifestação realizada nesta quinta, 30, ONG Mercy For Animals entrega mais de 100 mil assinaturas pedindo ao Grupo Pão de Açúcar que deixe de comprar ovos de operações que submetem galinhas a confinamento em gaiolas. Em resposta, grupo lançou comprometimento público de abolir as gaiolas em suas marcas própria.

 
Alba Bittencourt
Portal Splish Splash

São Paulo, março de 2017 – A Mercy For Animals, organização internacional de defesa animal com foco nos animais ditos de consumo, realizou nesta quinta-feira (30/03), a partir das 11h, uma manifestação diante do escritório central do Grupo Pão de Açúcar para pedir que a empresa pare de comprar ovos produzidos em operações que confinam galinhas em gaiolas.

Trazendo cartazes com imagens explícitas de galinhas “poedeiras” cruelmente confinadas em gaiolas, com o pedido “Pão de Açúcar, Chega de Gaiolas Cruéis Na Sua Cadeia de Suprimento de Ovos”, membros da Mercy For Animals se reuniram em frente ao prédio do Grupo e entregaram as mais de 100.000 assinaturas de uma petição a Paulo Pompilio, Diretor de Relações Institucionais do grupo Pão de Açúcar.  CEO do Pão de Açúcar, Ronaldo Labrudi, pedindo que o grupo se comprometa a parar totalmente com a compra de ovos provenientes de galinhas confinadas em gaiolas.

Link para fotos da manifestação: https://we.tl/SPJqfexaDS
Crédito: Leonardo Benassatto

Em resposta o Grupo Pão de Açúcar emitiu comunicado se comprometendo a “viabilizar até 2025 a comercialização de 100% de ovos de marcas exclusivas proveniente de criação de galinhas sem gaiolas”. 
 
‘’O Pão de Açúcar vem enxergando a nova demanda de seus consumidores e já vem trabalhado no assunto, comprometendo-se a não mais comprar ovos de galinhas confinadas para as suas marcas exclusivas, mas isso não atende ao pedido da Mercy For Animals”, explica Lucas Alvarenga, Vice-presidente da Mercy For Animals no Brasil. “O Grupo Cassino, dono do Grupo Pão de Açúcar já se comprometeu eliminar 100% de todos os ovos provenientes de galinhas confinadas em gaiolas e esperamos a mesma atitude ética do Grupo Pão de Açúcar no Brasil. Temos certeza que o Pão de Açúcar irá liderar essa importante e inevitável mudança no sistema de produção de ovos no Brasil. Lembrando que as gaiolas em bateria já foram banidas em toda União Européia, tamanha a crueldade que é’’, explica.

O confinamento de galinhas em gaiolas é largamente considerado uma das piores formas de crueldade animal na atualidade. Essa prática já foi banida na União Europeia e em vários estados dos EUA, e muitas empresas líderes de mercado vêm se comprometendo a não mais comprar ovos provenientes de galinhas submetidas a confinamento em gaiolas praticamente a vida inteira, sem poder andar, esticar as asas ou expressar qualquer outro comportamento que lhes seria natural.

O protesto foi realizado após meses de campanha contra o gigante dos supermercados informando os consumidores sobre a situação das galinhas “poedeiras”, que estão entre os animais que mais sofrem no planeta.

“Esse tipo de prática abusiva não deveria ser apoiada por nenhuma empresa com princípios éticos”, afirma Alvarenga. “Empresas líderes de mercado no Brasil, como McDonald’s, Bob’s, Subway, Viena e muitas outras, já se comprometeram a não mais comprar ovos de galinhas confinadas em gaiolas. Uma empresa como o Pão de Açúcar, tão preocupada com valores e princípios, deve dar o exemplo e atender a essa importante demanda do consumidor.”

Para assistir ao vídeo que mostra como funciona a criação de galinhas em gaiolas, acesse: PaoDeAcucar.InfernoDasGalinhas.com.br

Sobre a Mercy For Animals
Fundada em 1999 nos Estados Unidos, a Mercy For Animals dedica-se a combater a crueldade contra animais ditos de consumo, bem como promover a ética e a compaixão na adoção de políticas públicas e corporativas e a conscientização nas escolhas alimentares. Reconhecida pela Animal Charity Evaluators por quatro anos consecutivos como uma das três instituições de defesa animal mais efetivas do mundo, a Mercy For Animals tem sede em Los Angeles e escritórios locais para atuação direta no Canadá, China, Índia, Brasil, e México, que coordena a ação nos países de língua espanhola da América Latina.
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário