Epilepsia: mais conhecimento e menos preconceito



                                                                                                                                     
 Alda Jesus
 Portal Splish Splash

No domingo, 26 de março, foi comemorado mais um Purple Day, como ficou conhecido o Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia, criado em 2008 no Canadá e desde 2011 conquistando importância também no Brasil. A data é mais um alerta para se enfrentar a doença, que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), afeta cerca de 50 mil pessoas no planeta. E isso pode ser feito com menos tabus e mais conhecimento, livrando o paciente de preconceitos. Até hoje, muita gente ainda fica sem saber como agir diante de um epilético que tem uma crise, caindo no chão com o corpo todo retesado, mordendo a própria língua e com uma série de movimentos involuntários.

Quem orienta é Marcelo Ciciarelli, neurologista membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN). “O cenário típico de uma crise epilética é o seguinte: a pessoa perde a consciência, se debate, ocorre salivação e pode até chegar a urinar nas vestes”, conta, chamando atenção para o período de duração do episódio: cerca de três minutos. “Nessa hora, o ideal é proteger a pessoa para que ela não se machuque, colocando a cabeça dela sobre um travesseiro, virada de lado para que não aspire a própria saliva, não tentar puxar a língua do paciente, ele normalmente fica com os dentes cerrados e é possível que acabe mordendo o dedo de quem está tentando ajuda-lo”.

Segundo o especialista, no rol de problemas neurológicos, a epilepsia está entre as doenças mais frequentes junto com as cefaleias, a doença de Alzheimer e de Parkinson e o AVC. Por isso não devemos subestimar os seus efeitos: quem sofre dessa doença crônica muitas vezes se vê com receio de ter uma convulsão em público e atrair os olhares de estranhos, o que pode levar ao isolamento e até à ideia de que o epilético deve se privar de atividades como dirigir ou praticar esportes, por exemplo.

Do que o epilético precisa para ter uma vida como a de outra pessoa qualquer? O primeiro passo é realizar o diagnóstico correto da doença que, apesar de algumas vezes não ter cura, conta com tratamentos eficazes para seu controle. O segundo é se conscientizar de que ter epilepsia não desmerece ninguém – se o estado crítico assusta as pessoas, é porque muitas delas não sabem como proceder diante do que parece ser um curto-circuito cerebral. É aí que entra o papel do paciente em assumir sua condição e explicar aos conhecidos o que devem fazer caso presenciem uma crise.

Em relação às causas, o histórico familiar é bastante relevante, já que muitas vezes o epilético tem algum antecedente na família. Traumatismo craniano causado por pancadas ou acidentes também podem provocar a epilepsia e até causar uma crise. Mas, no caso de quem já foi diagnosticado com a doença, o que se pode fazer para reduzir a quantidade de episódios é evitar drogas, bebidas alcoólicas e procurar ter boas noites de sono.

Licenciada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora militante do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal.

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário