Do escritor Joel Neto


REGRESSO A CASA
Um diário açoriano

de JOEL NETO

Tal crónica de rafeira

Milpitas, Califórnia, 12 de Março
A caminho de São Francisco, o L. decide explicar-me o Silicon Valley. Executivo de topo, com um currículo recheado de vice-presidências em algumas das mais sonantes empresas da tecnologia, decidiu há meses fazer uma sabática.
Tem saudades, e aliás volta a trabalhar já terça-feira, em nova empresa sonante ainda. Hoje e amanhã acompanha-me pela Bay Area, e para começar mostra-me a nova sede da Apple, o primeiro prédio do Facebook e outros edifícios históricos.
Acho graça àquela palavra, “históricos”. Muita desta história tem quinze, dez, mesmo cinco anos. Por outro lado, tudo isto avança a um ritmo tão avassalador que, em muitos casos, essa é a única historiografia possível: um homem que conduz outro e lhe conta como aconteceu, sem chegar a parar o carro sequer.
Tento demonstrar admiração. Na verdade, continua a interessar-me sobretudo aquele momento em que, ao descermos de Palo Alto para Stanford, ele me diz:
– Todas as manhãs, quando passava aqui, me lembrava do Pico. Não te faz lembrar o Pico, aquela faixa de neblina, com a montanha atrás como se fosse São Jorge?
Chega a comover-me. Não me parece haver muito do Pico ali. O Pico está dentro dele, nos seus olhos, e nem Steve Jobs, nem Mark Zuckerberg, nem nenhum dos heróis deste novo tipo de história chegou a arrancar-lho.
***
São Francisco é impressionante seja qual for a maneira que cheguemos, e nós chegamos pela Kearny, cruzando as ruas que se estreitam entre os arranha-céus, erguidos contra a divindade como gótico contemporâneo. Tivemos sorte: está calor – coisa rara –, e, estacionado o automóvel, dirigimo-nos ao Pier 39, a comer uma sandes de caranguejo e a inevitável clam chowder.
Pedi uma visita bem turística, visto só termos uma tarde disponível, e é uma visita turística que tenho. Passeamo-nos pela frente ribeirinha, a fotografar Alcatraz, e subimos a Little Italy, com passagem pela City Lights Bookstore, de Joplin, Kerouac e os outros todos. Atravessamos North Beach, contamos as ladeiras das perseguições automóveis e apontamos à Golden Gate, calcorreando-a para lá e para cá até apontarmos, enfim, ao Castro.
Daqui se mudou o mundo. E, porém, é como se, de alguma forma (e creio que só o sentira em Nova Iorque), eu já conhecesse tudo isto, ou pelo menos o conhecesse assim, percorrido como num traveling do cinema. Talvez apenas o facto de a ponte se encontrar tão no limite da baía, atirada contra a montanha, me tenha surpreendido.
Até que, voltando em direcção ao carro, me ponho a perorar sobre o que este país foi capaz de construir em duzentos anos e como nenhum outro tem tanto direito a propor novo significado para a palavra história. E o L.:
– Sabes, há uns tempos trabalhei numa empresa com 14 anos de existência. Era tão velha que já tinha um ADN. Não se conseguia mudar nada. Mais valia recomeçar do zero – contou. – Com a América, foi quase assim. O início era o menos, porque não havia o ADN, por exemplo, da Europa. Mas agora chegou o momento da verdade.
É um liberal, o meu amigo, e Trump já viera diversas vezes à conversa. Inquieta-o que um país desta sorte, construído sobre a ideia de liberdade, se tenha posto nas mãos de um mimadão racista, xenófobo, machista, homofóbico, populista. Envergonha-o a escolha feita por um povo que também é o seu, e apenas a possibilidade de culpar o redesenho dos círculos eleitorais o apazigua um pouco.
Aquiesço, evidentemente. Mas desde o início desta viagem que tenho ficado em casa do Manuel, aqui em baixo em Milpitas, e agora não posso ignorar o paradoxo com que me venho confrontando.
Nascido na pequena Graciosa, numa família numerosa e modesta, o Manuel foi dar ao Massachusetts. Mas era Inverno e, ao fim de duas semanas, juntou os tostões e comprou um bilhete da GreyHound em direcção à Califórnia. Levou quatro dias a atravessar o país. Tinha tanto medo de se perder do autocarro que, quando paravam para comer, se punha onde nunca deixasse de avistar o motorista.
Começou no trabalho braçal, já passados os vinte anos. Hoje, após mais cinquenta, tem duas condecorações da República Portuguesa e uma reputação inatacável em toda a região. Fez-se dentista, construiu um palacete. Mas toda a vida dedicou uma parte significativa do seu tempo ao voluntariado, que ainda hoje, já reformado, mantém.
Alcoólicos e hispânicos, sem-abrigo e crianças – repara-lhes os dentes a todos. Pertence a dúzia e meia de associações cívicas, hospeda dezenas de portugueses por ano e quem queira vê-lo feliz é curvado sobre a porta do seu Jaguar, remexendo em papéis, a caminho do problema burocrático seguinte.
Tudo de borla. Pelo amor a Portugal e também ao outro.
Ao Bem.
Chamam-lhe “Dr. B.”, ou “Doctor With a Heart”, como diz aquele quadro que umas crianças mexicanas lhe pintaram. Pois votou em Trump. E eu imagino que isso diga alguma coisa sobre ele. Mas também tem de dizer alguma coisa sobre Trump. Ou, pelo menos, sobre o papel deste no sistema.
Milpitas, Califórnia, 13 de Março
Falo a alunos de Berkeley, para minha infinita vaidade. Mas o que quero, mesmo, é descer à biblioteca, sentar-me ao lado de Twain e perguntar-lhe:
– Porque é que nos chamaste, a nós, açorianos, pobres, lentos, indolentes e preguiçosos? Para a próxima tenho de levar-te a comer uma alcatra.


http://www.facebook.com/neto.joel
http://www.joelneto.com/
* alguns destes textos são originalmente publicados no “Diário de Notícias”
Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário