Amigo que fala do amigo Roberto Carlos



Por: Carlos Alberto Alves
jornalistaalves@bol.com.br
Facebook
https://www.facebook.com/carlosalberto.alvessilva.9
Carlos Eduardo Nogueira Ribeiro é amigo íntimo de Roberto Carlos, tendo-o acompanhado em tempos idos em muitas turnês, daí ter registado muitas histórias relacionadas com o rei.
Em 1983, com o Projeto Emoções, Roberto Carlos fretou um Boeing da Vasp e fez shows em todas as capitais do Brasil e em algumas, inclusive, realizando três espetáculos.
Para Carlos Eduardo, a elegância e a fraternidade de Roberto Carlos o impressionava a cada dia.


Cidades como Belém, Manaus, Teresina, Coíba, Campo Grande, Roberto em estádios de futebol com lotação máxima, a uma hora de entrar no palco, mandava chamar o chefe dos bombeiros e perguntava-lhe: “quais os riscos de abrirem os portões quinze minutos antes de ele pisar o palco?”. Um susto no chefe dos bombeiros e no amigo pessoal, empresário de Roberto na época, Luiz Fernando Rocha, falecido prematuramente aos 39 anos de idade com câncer nos rins. Luiz Fernando que era de Jacarezinho, Paraná. Coincidentemente, também morreram o ator Luiz Armando Queiroz e o cantor-compositor Taiguara.
Voltando à conversa de Roberto com o chefe dos bombeiros, este disse se o povo que ficou de fora sem ingresso entrasse de maneira civilizada, poderia pensar em cumprir a ordem e a vontade de Roberto para que todos pudessem assistir comportadamente sentados no chão ou nos alambrados depois de vinte minutos de estudos. Então Roberto, com aquele seu peculiar jeito, gentil, fraterno e humano, convence o seu empresário que, por seu turno, tranquiliza o chefe dos bombeiros e, deste modo, o povo entra nos estádios nas referidas cidades, de maneira absolutamente comportada, coisa que jamais aconteceria com o público de rock e, hoje em dia, com esse esgoto puro do funk – Opina Carlos Eduardo.
Essa é mais uma virtude e a consequente mostra de que Roberto Carlos é sucesso absoluto há 58 anos, facto este nunca conseguido por nenhum outro artista, ou banda na história da música mundial.
Carlos Eduardo confidenciou que Roberto o deixava à-vontade juntamente com seus familiares durante os voos. Formavam uma grande família. Carlos Eduardo chegou até a brincar com Roberto que, após aquela grandiosa turnê, lhe chamaria de Carlos Eduardo Nogueira Ribeiro Braga. O rei Roberto ainda acrescentaria: “já se considere meu irmãozinho".
Acresce que Roberto Carlos já superou a marca de 230 milhões de discos vendidos em todos os continentes, marca jamais conseguida por outro qualquer artista ou banda musical.

Carlos Alberto Alves

Sobre o autor

Carlos Alberto Alves - Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Colabora semanalmente no programa Rádio Face, da Rádio Ratel, dos Açores. Leia Mais sobre o autor...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário