Susana Vieira estreia peça dirigida por Miguel Falabella


Susana Vieira diz que há várias Susanas dentro de si. Ela, que nasceu Sônia Maria, mas adotou o nome artístico há mais de 50 anos, conta de seu lado atriz, outro mulher e dona de casa. Quando os cães começam a bradar, interrompe a conversa: "Não posso dar entrevista com os cachorros latindo", ouve-se do outro lado da linha. E ela retorna: "Desculpa, querida, essa é a Susana Vieira lado B".

Já a Susana que chega ao palco do Teatro Renaissance, em São Paulo, a partir desta sexta (13) é uma representação da "mulher que somos todas nós desde o século passado e que continuaremos sendo até o ano 4000: metidas a corajosas, mas uns coelhinhos quando nos apaixonamos".

A atriz estreia na cidade "Uma Shirley Qualquer", versão da peça "Shirley Valentine", do britânico Willy Russell, adaptada e dirigida por Miguel Falabella. No monólogo, interpreta uma dona de casa que, cansada da vida modorrenta, decide largar os afazeres domésticos e parte em uma viagem para a Grécia.

Em cena, fala sobre o marido, o filho e sua "vontade de se soltar". É uma peça escrita há 30 anos, mas "atemporal", segundo a atriz. "Eu acho tão engraçado que o mundo fica mais moderno e a gente continua pisando em ovos em várias situações. Acho que a mulher mudou na independência dela, mas na alma mesmo não mudou muito não."

"É o seguinte: todas nós somos donas de casa. Qual é a mulher que não lava um copo? Qual a mulher que nunca trocou a fralda de um filho? Você acha que aquela princesa linda lá [Kate Middleton] não troca uma fralda?"

 VALE TUDO

Aos 74, a atriz repete aqui a parceria com Falabella (ele a dirigiu, entre outros, em "A Partilha", nos anos 1990). "Ele ia traduzindo [a peça] e eu fiquei encantada. Como eu sempre digo 'sim', sou 'Susana Vale Tudo', 'Susana Sempre Sim', eu falei 'sim' e depois fui ver o que era."

E chega a São Paulo um ano e meio após um acidente ter interrompido a temporada paulistana de sua peça anterior, "BarbarIdade". Susana provava um novo figurino e, ao fazer uma pirueta, tropeçou na saia e fraturou o pé.

"Eu tentei de tudo para fazer a peça, mesmo com o pé quebrado, em cadeira de rodas, com bota. Mas era um musical, e a graça mesmo era eu entrar dançando, cantando. Bem ou mal, mas era eu."

Na época, começara a gravar a novela "A Regra do Jogo", na qual interpretava uma ex-prostituta.

"Gravei um mês com o pé quebrado. A gente colocava um salto da altura da bota [imobilizadora] e eu fingia que tava dançando funk de bota. Era muito sacrifício, inchava, mas eu tô acostumada, meu amor. Comigo não é qualquer botinha que vai me derrubar não, pode ter certeza."

"Shirley" estreou em Vitória no fim de 2016. Passou por Belo Horizonte, Porto Alegre e Campinas, entre outros, antes de chegar a São Paulo.

Na temporada, a atriz diz ter recebido um público mais jovem, fato que ela credita à sua participação na bancada do "Vídeo Show", no ano passado, muito comentada pelo jeito espontâneo e sem papas na língua da atriz. "Ali era a Susana marca original."

"Mas eu não podia fazer o que eu quisesse, não. Eu tinha uma censura, não sou uma pessoa maluca", diz a atriz, que na atração contou, por exemplo, que se recusou a fazer "Uga Uga" porque achou feio o nome da novela.

Deixou o programa vespertino em dezembro para viver a vilã Cora na próxima novela das 23h da Globo, que começa a ser gravada em fevereiro. "Fiquei triste de sair. Queria fazer os dois."

Também está escrevendo uma autobiografia, em parceria com o autor e especialista em teledramaturgia Mauro Alencar. Ainda sem título, deve ser lançada no segundo semestre. Uma visão, diz ela, sobre sua carreira e "as coisas que eu vi na vida".

"É mais uma continuidade dessa minha maneira de ser: estar sempre em movimento, sempre trabalhando. Eu nasci para ter qualquer tipo de profissão. E, minha filha, se tiver que fritar um bife, eu frito liiinda. O bife vai sair meio ressecado, mas eu frito."

 UMA SHIRLEY QUALQUER
QUANDO sex., às 21h20; sáb., às 21h; dom., às 18h30; até 26/3 (não haverá sessão em 17 e 26/2)
ONDE Teatro Renaissance, al. Santos, 2.233, tel. (11) 3069-2286
QUANTO R$ 100
CLASSIFICAÇÃO 12 anos

in-http://www1.folha.uol.com.br

Licenciada em Robertologia Aplicada e Ciências Afins. Redatora militante do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal.

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário