Porque hoje é domingo




Por: Carlos Alberto Alves
jornalistaalves@bol.com.br
Facebook
https://www.facebook.com/carlosalberto.alvessilva.9
De um amigo que já faleceu (quiçá precocemente) quando completei 50 anos de  carreira. Eu que deixei a ilha,  melhor uma das nove ilhas onde, em 20 de agosto de 2004, me encontrava.
Construímos castelinhos com buracos virados pró mar, cismados do medo do que vinha do horizonte. Fomos maldizendo os nevoeiros, as brumas e as marés, maiores que os nossos castelinhos. Quisemos o céu azul e o mar amanhado ao nosso anseio de lutas marítimas com canhões a afundarem navios espanhóis e de piratas, mesmo sem pernas de pau, principalmente estes para não ficarem a boiar, causa maior do pau da perna, que nos pode deixar o remorso da morte pela defesa da ilha que vai de Angra, passando por São Sebastião, o longo areal da Praia, as falésias da Vila Nova, o vinho dos Biscoitos ou o óleo das baleias no Negrito.
Com o fastio das guerras, umas vencidas outras perdidas, fomo-nos finando pela falta das guerras marítimas. Fomo-nos fartando de esperar pelas epopeias, fomo-nos fartando só isso, por isso e nisso. Fomo-nos fartando de estar parados na ilha. Inventámos inimigos apetitosos pela ilha ali ao lado. Aprendemos a nadar, a construir barcos, a remar, a içar velas, a navegar. Cheirámos o mar, trouxemo-lo, na cova da mão, até à boca. Sublimámos o sabor a sal. E embarcámos.
Ali mesmo ao lado estava outra ilha. Era outra. Falávamos a mesma língua, entendíamo-nos embora com sotaques aqui e ali diferentes. Comíamos igual com sabores diferentes. E gostamos. Outro horizonte, outras maresias, outra bruma, outros olhares que não tínhamos na nossa ilha.
Sentimos um formigueiro, talvez saudade, quem sabe. Não era fastio, talvez cisma. Ou então, sabe Deus, outro jeito de olhar, d’aquela enfadonha maneira de virarmos costas para dentro da nossa ilha sempre com olhos postos no horizonte donde não vinham piratas nem extra terrestres para nos abocanhar.
Deixamos, quem sabe, talvez Deus, de nos umbilicarmos. Levantámos os olhos do chão e conhecemos a fraternidade. O amigo, o parceiro da sueca, da alcatra de peixe, do vinho de cheiro, dos cinco dedos da mão direita com selo de amizade.
Empurrámos, com a ajuda de novos amigos, o barco p’ró mar e fizemo-nos à ilha, a nossa. Nem escolhemos baía para o desembarque. Voltámos. Com o horizonte pelas costas vimos os montes, os cerrados e as serras. Entrámos terra dentro, a ilha que tínhamos dentro de nós e que nós tínhamos arrebicado.
Carlos Alberto Alves

Sobre o autor

Carlos Alberto Alves - Jornalista há mais de 50 anos com crónicas e reportagens na comunicação social desportiva e generalista. Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Colabora semanalmente no programa Rádio Face, da Rádio Ratel, dos Açores. Leia Mais sobre o autor...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário