Espanha é o país convidado do Festival Terras Sem Sombra deste ano

Igreja Matriz de Almodôvar, onde se realiza o concerto de abertura no dia 11 de fevereiro

O festival arranca a 11 de fevereiro e terá pela primeira vez visitas guiadas a espaços monumentais.


A programação do Festival Terras Sem Sombra (FTSS) deste ano, que destaca Espanha como país convidado, foi apresentada hoje em Serpa e prevê oito concertos, entre eles o do Brentano String Quartet, em março, em Santiago do Cacém.


O festival, que inclui uma vertente sobre biodiversidade e, este ano pela primeira vez, visitas guiadas a espaços monumentais, para além da tradicional entrega de prémios, abre no dia 11 de fevereiro, em Almodôvar, com a Accademia del Piacere, de Sevilha, sob a direção musical de Fahmi Alqhai (viola da gamba), com o "cantor" Arcangel.


Uma semana antes, no dia 2 de fevereiro, o FTSS é apresentado em Sevilha, no sul de Espanha, no âmbito de uma aproximação ao público espanhol, que se tem deslocado a concertos do certame, que entra na sua 13.ª edição.


O ano passado, o FTSS teve uma apresentação em Madrid, tendo-se "estabelecido uma série de olhares de cumplicidade", como afirmou à Lusa Juan Ángel Vela del Campo, que renova o mandato como diretor artístico do festival. Refira-se que, no ano passado, o país em destaque foi o Brasil.


Relativamente a Espanha, de onde vêm vários nomes como a cantaora Esperanza Fernández, que atua no dia 06 de maio, em Serpa, Juan Ángel justificou a escolha do país vizinho "por considerações geográficas e culturais, além de afetivas".


"Na realidade, trata-se de estabelecer um diálogo, chamemos-lhe ibérico. Um lirismo comum, segundo gosta de realçar o par formado pela meio-soprano estremenha Elena Gragera e o pianista catalão Anton Cardo, que encherão de textos e músicas familiares o seu recital hispano-português em Ferreira do Alentejo", no dia 27 de maio, na igreja matriz de N. S. da Assunção, num concerto com o título de "Uma Herança Comum: Aspetos do Lirismo em Portugal e Espanha".


Outra participação espanhola é a do flamenco, "na sua dimensão mais pura, que chega pela cantaora cigana Esperanza Fernandez, acompanhada pelo grande guitarrista granadino Miguel Angel Cortes", que atuam no dia 6 de maio, na igreja do mosteiro de N. S. da Consolação, em Serpa, um concerto intitulado "Um Evangelho Meridional", disse Juan Ángel.


O concerto é preenchido por "temas profundamente religiosos como o 'Agnus Dei', o 'Kyrie' ou o 'Cordero de Dios', em ritmos de 'soleá', 'petenera' ou 'siguriya', respetivamente, vão alternar com outros inspirados pelo escritor José Saramago, a quem a cantaora sevilhana do bairro de Triana dedicou um disco intitulado 'Mi Voz en tu Palabra'", adiantou o responsável.


A participação espanhola no certame inclui ainda o Ensemble ]W[ que reúne "um conjunto de músicos de primeira fila da Orquestra do Festival de Lucerna, reforçados para esta apresentação por acompanhamento de piano por Enrique Bagaria, para interpretar dois quintetos para oboé, clarinete, trompa, fagote e piano de Mozart e Beethoven", adiantou o diretor artístico.

Este espetáculo tem lugar na igreja de S. Salvador, em Sines, a 3 de junho.


Da programação consta ainda, em Odemira, na igreja de Santa Maria, no dia 4 de março, o concerto "De Beata Virgine Maria: Música Portuguesa de Invocação Mariana" pelos portugueses Polyphõnos, sob a direção de José Bruto da Costa e em que serão interpretadas obras de autores portugueses dos séculos XVI e XVII, como Estevão de Brito, Duarte Lobo, Pedro da Esperança, Diogo Dias Melgás, João Rodrigues Esteves e Francisco Antonio de Almeida.


No dia 8 de abril na Basílica Real de N. S. da Conceição, em Castro Verde, atuam o tenor Antal Cseh e a meio-soprano Apollónia Szolnoki, acompanhados pelo pianista Andras Rakai que interpretarão "O Castelo de Barba-Azul", de Béla Bártok.


No dia 17 de junho, na Igreja Matriz de Santa Maria da Feira, em Beja, o último concerto do certame vai ser "Caminho, Verdade e Vida: Motetes e Prelúdios Corais", de Johann Sebastian Bach, pelo Coro Gulbenkian, sob a direção de Michel Corboz, e com o acompanhamento de órgão por Fernando Miguel Jalôto, de viola da gamba por Sofia Diniz, e contrabaixo barroco por Marta Vicente.


"A par da formação de públicos, o FTSS tem como principal meta a descentralização cultural e irradiação do Alentejo, a valorização dos recursos naturais e a promoção dos produtos regionais", disse à Lusa Sara Fonseca da associação Portas do Património, que organiza o festival em parceria com a Diocese de Beja.

Os concertos e todas as atividades são de entrada livre.

 in-http://www.dn.pt
Alda Jesus

Sobre a autora

Alda Jesus - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário