Crônicas inéditas do português Fernando Assis Pacheco foram reunidas em livro


As crónicas com que Fernando Assis Pacheco animava as manhãs da RDP entre 1977 e 1978 foram reunidas num livro.

"Tenho cinco minutos para contar uma história" é o titulo da obra que está a partir de hoje nas livrarias e que reúne 41 crónicas escritas por Fernando Assis Pacheco e lidas aos microfones da Rádiodifusão Portuguesa (RDP) aos domingos de manhã.

As crónicas, até agora inéditas, foram reunidas a partir de folhas datilografadas que o autor guardou e compiladas num livro editado pela Tinta-da-China, com data de lançamento marcada para 01 de fevereiro, dia em que o escritor faria 80 anos.


Fernando Assis Pacheco nasceu em Coimbra em 1937 e morreu em Lisboa em 1995. Viveu pouco mas teve tempo para muita coisa, pois também foi poeta, jornalista, escritor, crítico, tradutor e adepto de futebol, refere a Tinta-da-China.

Foto bonde Fernando Assis Pacheco nasceu em 1937 e morreu em 1995

As histórias foram todas contadas em cinco minutos, mas foram cinco minutos em que Assis Pacheco falou de futebol jogado com botões sobre o tampo de uma mesa, do dia em que se foi casar de bicicleta, de uma viagem de comboio para a praia das férias, da pobreza na velhice e de adivinhas para crianças.

O cronista considerava-se um "trapalhão", que chegava ao microfone da rádio já estafado da vida, mas a verdade é que era um grande contador de histórias e, naquelas manhãs de domingo, levou o ouvinte a passear pelo Bairro Alto ou por Campo de Ourique, por Argel, pela aldeia galega de Melias, por Cabo Verde ou por Sangalhos, pela Dinamarca ou por Roma, pela primavera de Coimbra, pela aldeia de Monforte da Beira.

Como assinala o filho João Pacheco no prefácio do livro, Fernando Assis Pacheco escreve as crónicas radiofónicas com o mesmo cuidado que põe na prosa literária, na poesia ou na escrita quotidiana para os jornais e, apesar de fingir estar vocacionado para "chalacear sobre coisíssima nenhuma", "encontra sempre bons motivos para ocupar os minutos de rádio semanais".

Nem precisa de procurar assunto, porque "a vida, a vida insidiosa e metediça, a vida piolho na costura, comichão na pele, assombração inesperada, a vida afinal está sempre a eletrizar-nos", escreve o também jornalista.


A vida de Fernando Assis Pacheco levou-o a viver um tempo fora do país, enquanto estudante, e a alugar um quarto a uma viúva com um filho surdo-mudo, com quem comunicava por diálogos rabiscados em papel e a quem conseguiu transmitir a vibração pelos jogos do Benfica e pelas reportagens desportivas na televisão, tudo contado numa crónica transmitida no Dia das Comunidades, que começava com a dúvida: porque existem duas Lisboas nos Estados Unidos?

A inspiração também o impeliu a contar histórias de família, como a da crónica "Sou neto de uma pistola mal apontada", sobre a forma como o seu avô materno escapou de um tiro de um vizinho, ou "Foi aqui que nasceu o meu avô Santiago".

Os poetas e escritores portugueses são também tema recorrente em Fernando Assis Pacheco, que dedica uma crónica a Cesário Verde e a alguma da sua poesia, como "O sentimento de um ocidental", que considerava "uma obra-prima da literatura portuguesa", vertida num livro só vendido postumamente.

Também Camilo Castelo Branco e Eça de Queirós são chamados à liça para uma reflexão sobre a oposição campo-cidade, Camões, Eugénio de Andrade e Herberto Helder são citados para elogiar a língua portuguesa, sobrando ainda espaço para Dinis Machado e o sucesso literário de "O que diz Molero".

Cinco minutos por semana foi todo o tempo que teve para contar histórias e para as criar bastava-lhe "a vida que desliza" e as memórias que pôde guardar na cabeça.


"Se eu fosse uma cobra percebia-se. As cobras despem sucessivas peles. Vão deixando um rasto", escreveu Fernando Assis Pacheco.

O rasto das várias peles que vestiu ao longo da vida estão agora imortalizadas em livro.

In
cultura/interior
http://www.tsf.pt/cultura/interior/cronicas-de-fernando-assis-pacheco-ineditas-em-livro-a-partir-de-hoje-5632797.html
Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário