Companhia Cênica se inspira em Shakespeare e em Roberto Carlos

Harlen Félix
Completando uma década de história em 2017, a Cia. Cênica, de Rio Preto, sabe muito bem que a burocracia é a ‘tia má’ de todas as artes. Não bastassem os impostos inerentes a todas as empresas, ainda há o direito autoral na partilha de cada cachê recebido. É taxa para dar nota, é taxa para usar uma música ou um texto que não é seu, é taxa do Ecad...

Mas não há taxa sobre taxa que tire o brilho e a força do teatro, e esse é a grande estrela do espetáculo que celebra a primeira data redonda da Cênica, Queijo & Goiabada, das Canções que Você Não Autorizou para Mim, que faz estreia nesta sexta-feira, 13, no Sesc. “Ao longo de nossa trajetória, sempre montamos textos inéditos, de autores de Rio Preto.

Isso, de certa forma, também reflete essa dificuldade que os grupos enfrentam na hora de pagar direitos para montar textos de autores brasileiros e estrangeiros”, comenta o diretor e ator Fagner Rodrigues, um dos fundadores da companhia rio-pretense. É a primeira vez que a companhia rio-pretense se debruça sobre o trabalho de um grande autor. E nessa escolha, claro, também pesou a questão do direito autoral. A história que serve de base para a narrativa de Queijo & Goiabada vem do inglês William Shakespeare, cuja obra já é de domínio público. 

Aliás, o próprio dramaturgo foi acusado de plágio inúmeras vezes, e numa das ocasiões foi justamente por causa da peça escolhida aqui pelo grupo rio-pretense, a clássica Romeu e Julieta. A partir da trágica história dos amantes de Verona, a atriz e dramaturga Clara Roncati concebeu a história original da peça, que reflete a própria trajetória da Cênica e a identidade construída pela companhia nessa primeira década. No entanto, ao revisitar sua trajetória teatral, a Cênica não se ateve somente às coisas tristes. Pelo contrário, o momento é de celebração. 

Um momento de festejar a resistência diante de todas as dificuldades. E como toda festa (e todo espetáculo da Cia. Cênica), a música não pode faltar. Quem dá vida à trilha sonora de Queijo & Goiabada é justamente o ‘rei’ Roberto Carlos, um dos artistas mais ferrenhos quando o assunto é direito autoral. “Toda grande história de amor tem uma música marcante. Ao indagarmos as pessoas sobre uma música que marcou um grande amor, sempre Roberto Carlos era lembrado”, conta Rodrigues.

A música exerce um função tão primordial no espetáculo que, desta vez, a Cênica trouxe uma banda para o palco. Mas não há limites entre atores e músicos. O elenco, formado por Clara Roncati, Diego Guirado, Elaine Matsumori, Fabiano Amigucci, Fagner Rodrigues, Glauco Garcia e Jaqueline Cardoso, assume todas essas funções em cena. Recorrendo ao metateatro (quando a obra fala de si própria), a companhia rio-pretense também rompe com os limites entre palco e bastidores, abrindo sua intimidade, suas histórias e seus anseios para o público.

Serviço
Queijo & Goiabada, das Canções que Você Não Autorizou para Mim, da Cia. Cênica. Estreia nesta sexta-feira, 13, às 20h, no teatro do Sesc Rio Preto. Ingressos: de R$ 6 a R$ 20. Informações (17) 3216-9300

Professor, blogueiro, jornalista, radialista, cordelista e wikipedista, é graduado em História e especialista em Mídias na Educação e em Informática e Comunicação na Educação. É redator do Portal Splish Splash desde 2014. http://www.portaldosjornalistas.com.br/jornalista/derbson-frota/

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário