Em 2017 os países lusófonos vão ter 'plano de leitura CPLP'



Países lusófonos vão ter "plano de leitura CPLP"

Os países lusófonos vão ter, no próximo ano, um plano de leitura, uma proposta do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), que pretende dar a conhecer a "riqueza literária" da comunidade, anunciou hoje a diretora-executiva deste organismo da CPLP.

POR LUSA

A proposta do "plano de leitura CPLP" (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) deverá ficar concluída no primeiro trimestre de 2017 e o projeto deverá arrancar ainda no próximo ano, adiantou Marisa Mendonça, em declarações à Lusa, à margem do congresso "Língua e Cultura Portuguesas -- Memória, Inovação e Diversidade", organizado pela Universidade Lusófona.

Este plano de leitura será "uma mais-valia incontornável" para os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), "uma vez que não têm até este momento um plano nacional de leitura" e, assim, será "uma alternativa boa e mais alargada", referiu a responsável do IILP, no encontro.

Já para Portugal e Brasil, este plano assume-se como "uma alternativa mais alargada e construída de uma forma comum", mas "sem querer comprometer" os respetivos planos nacionais de leitura.

Esta iniciativa do IILP pretende "responder a uma necessidade de um maior conhecimento mútuo sobre aquilo que é a riqueza literária da comunidade" lusófona, disse Marisa Mendonça, constatando que, "mesmo ao nível dos Estados-membros, esse conhecimento ainda tem um nível muito baixo".

Outro projeto que o instituto vai desenvolver no próximo ano é o das terminologias científicas da língua portuguesa.

A ideia, segundo a diretora-executiva, é recolher estudos terminológicos dos Estados-membros, fazer uma sistematização dos resultados e depois a criação de uma plataforma de bases terminológicas comuns para áreas específicas".

"Muitas vezes pensamos por que é que o português não está nas Nações Unidas ou nas grandes organizações. Ele já está em várias organizações, mas é importante darmos consistência a esta entrada do português nas grandes organizações através de uma base terminológica comum para evitarmos que tradutores e intérpretes usem termos completamente diferenciados", explicou.

O IILP, cuja importância foi reafirmada durante a cimeira da CPLP, que decorreu nos dias 30 de outubro e 01 de novembro em Brasília, mantém, para o próximo ano, o orçamento de 309 mil euros.

Marisa Mendonça reconhece que seria importante ter um aumento do orçamento, mas afirmou que o organismo "tem tentado fazer o máximo que pode", utilizando os mesmos recursos para diferentes atividades, além de contar "muitas vezes com apoios extraordinários dos Estados-membros" para determinadas atividades.


Alba Maria Fraga Bittencourt

Sobre a autora

Alba Bittencourt - Doutorada em Robertologia Aplica e Ciências Afins. Redatora do Portal Splish Splash e Administradora/Redatora do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre a autora...

Compartilhar Google Plus
    Deixe o seu comentário

0 comentários :

Enviar um comentário