4.º Bate-papo entre Eduardo Lages e eu – E não há nada pra comparar…


FOTO: Eduardo Lages e sua neta Nathalie, interpretando 
“Como é grande o meu amor por você”, de Roberto Carlos, 
no programa de Natal do Raul Gil – TV Bandeirantes, em Dezembro de 2007.


Por Armindo Guimarães
Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins 
Facebook
https://www.facebook.com/armindo.guimaraes



E NÃO HÁ NADA PRA COMPARAR…


Depois do 3.º Bate-papo entre Eduardo Lages e eu, ocorrido no dia 11 de Março de 2008, escusado será dizer que aguardava ansiosamente o próximo contacto. Porém, ao mesmo tempo compreendia que não iria ser fácil para o maestro do Rei, pois muitas coisas faziam com que tal não lhe fosse possível, tais como os seus shows pelo Brasil, as suas digressões pelo estrangeiro acompanhando Roberto Carlos e toda a sua equipa, e as gravações do seu próximo CD.

Porém, e como o mundo é feito de surpresas, fui surpreendido com mais um telefonema do Mestre Maestro. Dizer que fiquei surpreendido é pouco para definir quanta surpresa e quanta emoção aconteceu neste bate-papo.
E a melhor maneira de partilhar com os estimados leitores essas surpresas e essas emoções, será narrar tudo tal qual aconteceu desde o primeiro momento em que o meu telemóvel vibrou anunciando chamada anónima.


19 de Julho de 2008, Sábado, 19,12h
O meu telemóvel vibra.
Trrrrrrrrrr, trrrrrrrrrrr, trrrrrrrrrr… Chamada anónima
E eu atendo.


ARMINDO – Estou!
EDUARDO LAGES – Tou falando com o Armindo Portuleiro?
ARMINDO – O Eduardo Lages a telefonar-me? Nem estou em mim! Da última vez que falamos foi há três meses e confesso que andava a estranhar tanto tempo sem me ligar. Está tu bem com você, Eduardo?
EDUARDO LAGES – Tudo legal. Eu bem que queria telefonar pra você há mais tempo mas você sabe que devido às digressões de Roberto e todo esse trabalho em volta de meu próximo CD, não me tem sobrado tempo nem pra ir lá.
ARMINDO – Ó Eduardo, cuidado com isso! Que não lhe sobre tempo pra me telefonar, compreende-se, mas agora que não arrume ao menos um tempinho pra ir lá, essa aí é que é imperdoável. E você deve saber melhor do que eu que de vez em quando devemos ir lá para desopilar. E além disso, é coisa que se poder fazer em qualquer hora, faça chuva ou faça sol. O que é preciso é ir-se lá com calma e muito amor. Olhe, eu se passar um dia sem ir lá, até parece que me falta qualquer coisa. Aliás, não foi a sua fotógrafa que disse “Eduardo, temos que aproveitar os pequenos momentos para vivê-los intensamente”?
EDUARDO LAGES – Armindo, não estou entendendo o que você está falando. Ir lá, aonde?
ARMINDO – Ir ao seu blog! Onde é que havia de ser? O Eduardo sabe muito bem que se você demorar mais de três dias a postar um novo texto ou uma nova foto, a malta começa logo a ficar toda impaciente lamentando a sua ausência.
EDUARDO LAGES – É mesmo como você diz, Armindo. E eu sou o primeiro a lamentar não poder ir lá tantas vezes quantas queria, pois estou sempre pensando em vocês que são fantásticos, sempre amáveis comigo se interessando sempre por minha carreira, me incentivando e me dando opiniões e sugestões que muito me sensibilizam. Mas você sabe que as coisas nunca correm como nós queremos e que há que gerir o melhor possível o pouco tempo livre de que dispomos.
ARMINDO – É isso, Eduardo! Significa que você tem que contratar uma secretária que o substitua nas suas ausências.
EDUARDO LAGES – Armindo, você sabe que para os fãs não é a mesma coisa. Eu me fazendo substituir por uma secretária só iria despersonalizar meu blog. E isso eu não quero não! Mas é um assunto que me vem preocupando e por isso ainda há dias falei pra minha cara-metade, lhe dizendo: “Oi, Mércinha, querida! Estive pensando no que tem dito meu sócio portuga e cheguei à conclusão que ele tem razão. Meus fãs são do melhor que existe e por isso eu sempre tento retribuir com muito embalo. Acontece que de tanto mimo eles agora passam a vida exigindo isto e aquilo de mim e eu agora tenho que me concentrar mais em minhas gravações. Daí que eu…”.
ARMINDO – Ó Eduardo essa foi uma boa ideia, carago! De certeza que não estando o Eduardo no blog, se estiver a Mércia todo mundo vai adorar. E o que achou a Mércia da sua ideia, Eduardo?
EDUARDO LAGES – Mércia nem deixou eu acabar meu discurso, pois logo me interrompeu, dizendo: “Não precisa dizer mais, amorzinho! Já entendi o que você quer. Eu mesma vou mandar mensagem pros seus fãs, meu bem.”
ARMINDO – Ó Eduardo, não há duvida nenhuma que por detrás de um grande homem, está sempre uma grande mulher.
EDUARDO LAGES – É mesmo como você diz, Armindo. Agora vou passar meu celular pra uma pessoa que é sua fã.
MÉRCIA – Armindo, boa tarde! Tudo bem com você?
ARMINDO – Dona Mércia! Olá, como vai? Alguma vez eu iria imaginar que hoje estaria batendo papo telefónico com a Dona Mércia? O Eduardo fez-me uma surpresa linda!
MÉRCIA – Já tínhamos pensado ser antes mas só hoje deu pro Eduardo arrumar um tempo pra telefonar pra você. E então eu queria lhe dizer que em casa todo mundo gosta do tio Armindo e nos rimos demais com suas mensagens lá no blog do Edu.
ARMINDO – Dona Mércia, fico contente que assim seja.
MÉRCIA – Armindo aquilo que disse o Edu, é verdade, mas ele se esqueceu de lhe dizer outra coisa. Ele me disse: “Brigado, viu? Eu sabia que podia contar com você. Depois eu lhe dou um doce, tá?”. Só que nossa conversa aconteceu no dia 4 de Julho, hoje já é dia 19 e o Edu ainda não deu pra mim o doce prometido. Eheheheheh Armindo, tem aqui mais alguém que quer lhe dizer duas coisas.
NATHALIE – Oi, tio Armindo! Que legal estar falando com você! Sempre lemos seus bate-papos com vovô e nos rimos demais, sabe? Desta vez dissemos pro vovô que também tínhamos que entrar no vosso bate-papo. Ehehehehe
ARMINDO – Olá, Nathalie! Estás boa? Este bate-papo está a ser demais pra mim. Tantas surpresas juntas! Eheheheheh
NATHALIE – Titio eu devia estar zangada com você, sabe? Eu postei uma mensagem no blog do vovô e você não respondeu pra mim. Aí eu fiquei pensando que você só gostava do Enrico e então fiquei triste, mas meu vovô e mamãe me disseram que se você não respondeu foi porque não tinha lido minha mensagem. Então aí eu fiquei melhor. Eheheheheh
ARMINDO – Nathalie, eu só soube ontem dessa tua mensagem dedicada a mim. Foi a Conceição (CON), a minha “afilhada”, que me mandou o seguinte e-mail: "Olá padrinho tenho um e-mail que quase não entro, mas hoje fui lá e tinha uma mensagem:

Olá vovô!
Gostaria de dedicar esta mensagem ao português Armindo...
Armindo, eu sou a Nathalie, a irmã de Enrico, gostaria de te falar de como ele gostou do seu presente, e queria lhe agradecer! Lemos a sua mensagem com todo o carinho, e com todo o respeito só de ler esses "bate papos" que você faz com Enrico, achamos o senhor muito legal!
Armindo, beijos e que Deus te abençoe!
Nathalie. 21 de Abril de 2008 11:01"


E depois de transcrever a tua mensagem, a Sãozinha, acrescentou:

"Eu não tinha visto. Você viu? Achei tão bonitinho a Nath te enviar uma mensagem tão carinhosa, rsrsrsrs
Mas você merece! Se você não viu, corra lá... Dá uma olhadinha! Está naquela foto das crianças com a mensagem de Feliz Ano Novo.
Beijos azuis"

E, é claro, eu fui logo a correr ao blog do teu vovô, a correr tanto que quase caía. Eheheheheh E então, pus-me a ler a tua mensagem tão linda que muito me sensibilizou e, por isso, deixei lá a minha resposta.

NATHALIE – Puxa, vida! Logo, logo, vou ter que ir no blog do vovô pra ver sua mensagem!
ENRICO – Oi, seu Armindo! Eu fiquei muito contente com as mágicas que você me deu, sabe? Vovô me disse que você era meu titio lá de Portugal e eu perguntei a ele onde era essa rua e ele me disse que não era rua mas sim um país como nosso Brasil, mas mais pequeno e que ficava muito longe.
ARMINDO – É mesmo, Enrico!
ENRICO - Então eu disse pra ele que se Portugal ficava assim tão longe, não dava pra entender como o titio Armindo falava quase igual a nós. Meu vovô ficou olhando pra minha vovó e ela me explicou que há muitos anos atrás os portugueses vieram viver pro Brasil e trouxeram nossa fala lá de Portugal e eu até fiquei pensando que se não fossem os portugueses a gente não ia saber falar e se não fosse o titio Armindo me mandar as mágicas, eu também não ia saber fazer mágicas.
ARMINDO – eheheheheh Ó Enrico não é bem assim. Mais tarde tu vais aprender como tudo aconteceu.
ENRICO – Titio, cê sabe que eu dei um show de mágica pra todo mundo em casa e meu vovô gostou pra carago daquele truque dos discos que mudam de cor? Só queria que você visse a cara do vovô e de todos vendo meu show. Foi porreiro.
ARMINDO – Ó Enrico já estou a ver que não te esqueceste das palavras portugas e que és um Ilusionista de se lhe tirar o chapéu, digo, a cartola. Eheheheheh
ENRICO – Mas tem alguns truques que tentei fazer e não dá certo, sabia?
ARMINDO – Isso resolve-se. Basta dizeres quais são e eu logo te esclareço melhor, tá?
MARIA FERNANDA – Bem bacana as mágicas que mandou pro Enrico. Eu peço a ele pra me dizer o segredo das mágicas e ele não diz pra mim, não!
ARMINDO – Olá, Fernanda! Tudo bem contigo? Olha, o Enrico não te diz o segredo das mágicas porque os mágicos se disserem os segredos depois as mágicas perdem o encanto. Por isso, o melhor mesmo é tu não saberes os segredos das mágicas, senão depois não ficas encantada ao ver os shows do Enrico.
ANA LUÍZA – Seu Armindo, eu pedi pro Enrico me emprestar o baralho de cartas que cê deu pra ele e ele não emprestou elas e aí eu fiquei triste com ele, sabia?
ARMINDO – Ena, pá! Estou a ver que a família está toda reunida! Olá, Ana! Tudo bem? O Enrico não te emprestou o baralho de cartas e fez muito bem, porque os mágicos nunca emprestam a ninguém o seu material artístico. De certeza que se pedires ao teu vovô que ele te empreste a batuta dele, ele responde-te logo: “Aninhas, saia dessa! Minha batuta eu não empresto a ninguém, viu?!”.
ANA LUÍZA – Se engana, seu Armindo! Vovô às vezes empresta a batuta dele ao Roberto Carlos, que eu já vi!
ARMINDO – Tens razão. De facto, há uns tempos a esta parte que o Roberto anda com a mania de nos seus shows bancar uma de maestro, pedindo a batuta emprestada ao teu vovô. E uma vez aconteceu até que o Roberto pousou a batuta em qualquer sítio e o teu vovô depois andava preocupado à procura dela. Bem feito pra ele, sabes? Se fosse comigo o Roberto que tirasse o cavalinho da chuva que não havia batuta pra ninguém. Ele que comprasse uma, ora essa!
ROBERTO CARLOS – Eu táva aqui mesmo esperando ouvir você falar de mim, bicho? Táva até admirado você conseguir estar tanto tempo sem falar em meu nome. E ainda pra mais o apanho me menosprezando. É assim que nós vemos os amigos dizendo mal de nós nas nossas costas!
ARMINDO – Eu não acredito no que está a acontecer! Ó Berto, tu também estás aí, pá? Como é que foste aí parar, carago?
ROBERTO CARLOS – Eu fui convidado pra assistir ao show de mágica do Enrico e depois do show o Edu teve a infeliz ideia de telefonar pra você.
ARMINDO – Infeliz ideia? Ó Berto tu sais-te com cada uma do carago, pá! Isso são modos de falar pro teu amigo portuga, pá?
ROBERTO CARLOS – Você me menospreza e ainda quer que eu lhe fale de mansinho, bicho? Pois fique sabendo que não fui eu que esqueci da batuta do Edu, sabia? Foi ele mesmo que deixou a batuta em cima de seu piano, votando as culpas pra mim.
ARMINDO – Ó Berto, mas tens que concordar que não tem jeito nenhum andares sempre a pedir emprestada a batuta do Eduardo, carago! Agora deu-te pra andares a bancar uma de maestro e eu até me pergunto o que virá a seguir. Eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Olhe aí, cara! Que tem você com isso? Se Edu se lembrar de não me emprestar a batuta dele, estará tramado comigo que eu também não lhe empresto meu piano pra ele dar show em meu show!
ARMINDO – eheheheheh Ó Berto, essa foi do baril, pá!
ROBERTO CARLOS – Se deixe de gozação, mora! E tem mais, não…
EDUARDO LAGES – Roberto, não acha que está demorando demais sua conversa com o Armindo?
ROBERTO CARLOS – Você também, Edu? Se esquece que quando telefono pro Mindo você sempre aproveita pra usar meu celular estando tempos infinitos batendo papo com ele sem se preocupar do tempo passando?
MÉRCIA – Meninos, se acalmem!
EDUARDO LAGES – Amorzinho, foi o Roberto que começou pegando com o Armindo e depois dando ameaça pra mim, dizendo que se eu não lhe emprestasse minha batuta ele não me emprestaria seu piano durante os seus shows. Por isso…
ENRICO – Titio Armindo, a coisa está aquecendo! Eheheheheh
ARMINDO – eheheheheh É do baril, ó Enrico!
NATHALIE – Vovô, tenho uma ideia bem bacana para acalmar todo mundo!
ENRICO – Titio Armindo, a Nathalie diz que tem uma ideia. Que mais irá acontecer? Eheheheheh
NATHALIE – Enrico, porque você interrompeu o que eu estava falando? Ninguém interrompeu seu show de mágicas, pôxa! Que mania cê tem!
ROBERTO CARLOS – Nathalie diga aí pra nós qual é a sua ideia, tá? É desligar o celular, deixando o Mindo falando sozinho? Eheheheheh
NATHALIE – Nada disso, Roberto! Minha ideia era meu vovô se sentar ao piano tocando “Como é grande o meu amor por você”, eu fazendo dueto com Roberto e todo mundo fazendo coro.
ROBERTO CARLOS – Nathalie, bem que a sua ideia é porreira, digo, bacana, mas tem um problema, pois antes eu teria que aquecer minha voz. Por isso, lamento, mas não vai dar, não!
ARMINDO – Ó Berto, deixa-te de te armares em esquisito, pá! Para aqueceres a tua voz, pede aí ao Eduardo que ele dá-te já uma caipirinha à maneira! Eheheheheh
EDUARDO LAGES – Nathalie, sua ideia é legal, mas eu também teria que aquecer meus dedos pra tocar no piano. Então aí, não dá pra irmos nessa.
MÉRCIA – Edu, se deixe de fugir com o rabo à seringa, tá? Como você precisa de aquecer seus dedos se você ainda há pouco tempo, por causa do seu blog, esteve teclando no computador mais de três horas seguidas?
ROBERTO CARLOS – eheheheheh Edu, estamos tramados, pá, digo, cara! Com tais argumentos nosso remédio é mesmo botar mãos à obra.
NATHALIE – Vamos então começar, gente! Vovô, tá preparado? E Roberto, também? Armindo, você aí em seu celular, também faz coro com a gente, tá legal?
ARMINDO – Tudo bem, Nathalie!
EDUARDO LAGES – Oi, pessoal! Vou dar início aos primeiros acordes.
ENRICO – Vovô, pére aí um instante!
ROBERTO CARLOS – Enrico, cê não diga que interrompeu só pra nos dizer que vai no banheiro fazer xixi como da outra vez que eu, seu vovô e o Mindo cantamos aquela música “Um resto de tudo” do portuga João Pedro Pais!
ENRICO – Não é isso, seu Roberto. Eu interrompi pra saber se eu também podia entrar no coro.
ROBERTO CARLOS – Mas é claro que sim, Enrico! Como nós podíamos dispensar uma voz tão mágica como a sua? Eheheheheh Vamos lá gente! Edu, dê o andamento, bicho! Nathalie, se prepare!

EDUARDO LAGES, tocando piano...
ROBERTO CARLOS E NATHALIE, cantando em dueto…
MÉRCIA, ANA LUÍZA, MARIA FERNANDA, ENRICO E ARMINDO, fazendo coro.

Eu tenho tanto pra lhe falar
Mas com palavras não sei dizer
Como é grande o meu amor por você
E não há nada pra comparar
Para poder lhe explicar
Como é grande o meu amor por você
Nem mesmo o céu, nem as estrelas
Nem mesmo o mar e o infinito
Não é maior que o meu amor, nem mais bonito
Me desespero a procurar
Alguma forma de lhe falar
Como é grande o meu amor por você
Nunca se esqueça nem um segundo
Que eu tenho o amor maior do mundo
Como é grande o meu amor por você
Nunca se esqueça nem um segundo
Que eu tenho o amor maior do mundo
Como é grande o meu amor por você
Mas como é grande o meu amor por você

ARMINDO – Uau! Esse dueto vai ficar para a história. Ó Berto, no teu próximo CD/DVD Duetos, vais ter que incluir a Nathalie. Vai ser o delírio!
EDUARDO LAGES – É isso aí, Armindo! Me sinto emocionado me lembrando quando em Dezembro do ano passado, no programa de Natal do Raul Gil da TV Bandeirantes, eu iniciei minha apresentação tocando “Emoções”, “Chega de saudade”, e quando me preparava pra tocar “Como é grande o meu amor…”, Raul me perguntou se eu confiava nele e eu imediatamente disse "claro" e ele me pediu pra que eu fechasse os olhos. De repente ouvi uma voz familiar mas que eu não conseguia identificar e ao abrir os olhos me deparei com um anjo, era a minha neta Nathalie, linda, de branco, cantando a música "Como é grande o meu amor por você". Sou feliz por ter um amigo como Raul, uma neta como a Nathalie, além de Ana Luiza, Enrico e Maria Fernanda, uma família linda e principalmente por ter um Deus que me proporciona tudo isso.
ROBERTO CARLOS – Puxa vida, Edu! Logo agora que todo mundo estava animado, você vem nos emocionando desse jeito, mora!
ANA LUÍSA – Roberto, por você falar em emocionado, seria legal se a seguir a gente cantasse “Emoções”.
ROBERTO CARLOS – Hoje já estou por tudo! Perdido por cem, perdido por mil! Eheheheheh
MÉRCIA – Eu acho que o melhor seria ficar pra depois. Está sendo hora da janta.
ROBERTO CARLOS – Edu, porque você não convida o Mindo pra jantar com a malta, digo, com a gente, cara?
EDUARDO LAGES – Eheheheheh Armindo, nosso bate-papo está terminando e eu quero dizer pra você que apesar da distância você está sempre perto de nós…
ROBERTO CARLOS - Pra mal de nossos pecados! Eheheheheh Mindo, aquele abração pra você, viu? Um dia eu lhe telefono, tá legal? Gudvai que eu gudfico! Eheheheheh
MÉRCIA – Armindo, quero aqui agradecer a você e a todos os queridos amigos, colaboradores e fãs do Maestro por essa demonstração de carinho. Vocês só trazem alegria, transpiração e inspiração, com perguntas debates, curiosidades, pitacos, etc. São todos muito queridos. Posso garantir que o Eduardo é só felicidade com os amigos do blog. Eu, como fã incondicional, divido com todos vocês que a gravação do novo CD começou com pé direito, ótimo astral. Era para eu estar acostumada, mas posso dizer que fiquei contagiada com os primeiros acordes de base e com todas as suas idéias. E olhe que isso está apenas começando! Como diz a Marcia, lá no blog, isso aqui tá ficando bom demais. Para acrescentar, ele está ficando muito mimado. Muito obrigada sempre pelas palavras elogiosas. Beijos pra si e pra todos!
ARMINDO – Muito obrigado pelas palavras, mas saiba que tudo o que nós fazemos pelo Mestre Maestro, é pouco para o tanto que eles nos dá. Até um dia e um grande abraço!
ANA LUIZA – Armindo, um beijão pra você, viu?
ARMINDO – Outro pra ti, Ana! Xau!
MARIA FERNANDA – Armindo, foi bacana este bate-papo. Mil beijos pra você!
ARMINDO – Eu também adorei este bate-papo. Beijinhos!
ENRICO – Titio Armindo, foi fixe pra carago este 4º. bate-papo com meu vovô e todos nós. Agora só estão faltando mais 22 pra igualar aqueles que você tem com o Roberto. Eheheheheh
ARMINDO – Ó Enrico, és do baril, pá! Beijinhos e abraços pra ti e continuação de boas mágicas!
NATHALIE – Armindo, cê nem imagina o quanto gostei deste nosso bate-papo. Me emocionei muito e agora só estou esperando você publicar ele pra eu ler me rindo com tudo quanto aqui se passou. Você está gravando nosso bate-papo com o seu GBP?
ARMINDO – O Gravador de bate-papos anda sempre comigo, pois nunca se sabe quando o Roberto ou o teu vovô me telefonam. Por isso, logo que possa, transcrevo tudo para o computador e depois publico, tá? Beijinhos e abraços, Nathalie.
NATHALIE – Beijinhos, Armindo! Como diz nosso Roberto, foi uma brasa, mora! Eheheheheh
EDUARDO LAGES – Armindo, mais uma vez nosso bate-papo foi emocionante e eu agora só fico esperando ler tudo o que você vai escrever. Grande abraço pra você e sua família. Até um dia, meu sócio e primo Armindo! Eheheheheh
ROBERTO CARLOS – Mindo, quando transcrever seu bate papo…
ARMINDO – Ó Berto, já sei o que vais dizer, pá! Não te preocupes com isso, pois eu nunca me esqueço de no final deixar um aviso informando que tudo é ficção. Eheheheheh
EDUARDO LAGES – Mindo, o nosso Roberto tinha que ser o último a falar com você!
ROBERTO CARLOS – Edu, como você falou agora com o Mindo, você é que passou a ser o último e não eu.
ENRICO – Titio, a coisa está recomeçando a aquecer. Vovô e Roberto sempre se pegando por causa de você. Eheheheheh Depois lhe conto no que vai dar, tá? Xau!

AVISO: 

O texto que acabaram de ler é fictício.
Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência.

A ficção revela verdades que a realidade omite
Jassemin West
Armindo Guimarães

Sobre o autor

Armindo Guimarães - Doutorado em Robertologia Aplicada e Ciências Afins e Escriva das coisas da Vida e da Alma. Administrador, Editor e Redator do Portal Splish Splash e do site oficial da Confraria Cultural Brasil-Portugal. Leia Mais sobre o autor...

Compartilhar Google Plus
    Comentários

1 comentários :

  1. Querido Armindo!

    Mais um Bate-papo que me surpreendeu com a tua inspiração, pois envolveste toda a família do Nosso Maestro e mais o NMQT.
    É impressionante a capacidade que tens de desenrolar uma conversação entre tantas pessoas, e isso por telefone, mudando de assunto e interlocutor e tudo correr normalmente com muita emoção e humor.
    Um texto fantástico que muito me divertiu e também me emocionou, pois tu tens o poder de nos envolver tanto, que na parte da canção, Como é grande o meu amor por você, eu vive aquele momento com tanta intensidade, como se estivesse assistindo vocês a cantar.
    Armindo, tu és o máximo!
    Parabéns!

    Beijinhos,
    Alba Maria

    ResponderEliminar